• EmMarketing Digital

    O guia completo para aumentar seu tráfego orgânico no Facebook

    Se você já atua ou está começando a criar uma estratégia de marketing digital para o seu negócio, sabe que o primeiro passo para obter sucesso online é gerar tráfego (visitantes) para o seu site, blog e demais plataformas de atuação.

    As pessoas precisam encontrá-lo no mundo virtual. É dessa forma que você poderá conseguir novos contatos, gerar leads qualificados, converter vendas e engajar pessoas.

    Dentre os meios para fazer isto estão o tráfego pago (divulgações ou links patrocinados) e “a menina dos olhos” dos profissionais de marketing de conteúdo, o tráfego orgânico. O tráfego orgânico é aquele gerado através de estratégias e mecanismos de buscas e não possui custo direto pelas visualizações que recebe.

    Por isso, neste artigo vamos explicar detalhadamente como aumentar o seu tráfego orgânico em uma das principais plataformas da internet: o Facebook.

    As redes sociais e o Inbound Marketing para geração de tráfego orgânico no Facebook

    Primeiramente, se o seu objetivo é aumentar o tráfego orgânico, você precisa pensar em Inbound Marketing.

    Acredite! Sem uma estratégia bem definida de marketing de conteúdo conseguir aumentar tráfego será mais difícil do que tentar ganhar na mega-sena.

    As redes sociais são excelentes portas para atrair o seu público. Elas estão no topo da “cadeia digital”, são milhões de usuários únicos acessando estas plataformas, por diversos dispositivos, durante um tempo significativo da sua rotina diária de navegação.

    Sobretudo no gigante Facebook, a rede social que ganha com certa vantagem das demais plataformas do tipo. Para se ter uma ideia são mais de 1.28 bilhões de perfis ativos no mundo. Com todo este potencial de mercado o Facebook se tornou uma ferramenta essencial, nas estratégias de marketing digital.

    O-guia-completo-para-aumentar-seu-tráfego-orgânico-no-Facebook

    Logo, não é por acaso que um dos três pilares do inbound marketing no desenvolvimento das estratégias é justamente as mídias sociais (os outros dois pilares são SEO e conteúdo).

    Entretanto, apesar do potencial do social media, menos da metade das empresas se preocupa em desenvolver o planejamento e estratégias consistentes de atuação na rede. Muitas marcas têm uma visão simplista e acreditam que apenas marcar presença, ter um perfil no Facebook e um cronograma de postagens será o suficiente para atrair seu público-alvo.

    Mas, desmistificando um equívoco muito comum, ao contrário do que muitos pensam, gerar tráfico orgânico não é uma tarefa fácil e muito menos gratuita.

    Afinal, você precisará produzir conteúdo qualificado que demanda tempo e investimento adequados aos seus objetivos. Os esforços, no entanto, podem ser dimensionados ao orçamento que a sua empresa (pequena, média ou grande) tem disponível e obtém maior retorno a médio e longo prazo que o tráfego pago.

    Para ser efetivo você precisará pesquisar e considerar uma série de variáveis: quem é o seu público alvo? Quais são os seus interesses? Qual é o seu comportamento de navegação? E muitas outras questões.

    São estas informações que vão ajudá-lo a criar um “conteúdo imã” (qualificado), suficientemente magnético para atrair os potenciais clientes para sua marca, gerando mais tráfego orgânico e, consequentemente, a possibilidade de gerar leads.

    Desafios: as mudanças no Facebook e o declínio do alcance orgânico

    O alcance orgânico das empresas no Facebook despencou e está atingindo a todos.

    No último ano o Facebook passou por uma série de mudanças no seu algoritmo e nas suas políticas de posicionamento de notícias no feed. Além disso, a plataforma ampliou as ferramentas e opções do Facebook ads (divulgação paga) e passou a capitalizar as ações publicitárias em sua plataforma, limitando o espaço e alcance orgânico das empresas.

    Dessa forma, gerar tráfego orgânico para as marcas na plataforma está cada vez mais difícil. Hoje o alcance chega a apenas 6% da audiência, representando uma queda de 49% (dados da Ogilvy).

    Segundo o Facebook as medidas são inevitáveis e visam evitar a superlotação do feed dos usuários. O número de perfis continua aumentando e a participação das marcas competindo por um espaço na página dos usuários é cada vez mais efetiva e abrangente.

    A oferta de informações é imensa.

    Para se ter uma ideia são mais de 18 milhões de empresas com perfis na plataforma e há em média 1500 histórias (publicações) compartilhadas que poderiam ser visualizadas por um usuário (de acordo com seus interesses) a qualquer momento. O Facebook mostra cerca de 300 por user e é por um destes “lugares ao sol” no feed do seu público que você deve lutar.

    Assim, para o Facebook, o algoritmo precisava evoluir para este cenário. A empresa tem um grande trabalho para definir o que deve ser mostrado aos usuários. E, é o algoritmo que determina o conteúdo que será visualizado por cada usuário, além das informações que ele pode gostar e se engajar.

    O-guia-completo-para-aumentar-seu-tráfego-orgânico-no-Facebook

    Entretanto, como acontece com o Google, ninguém sabe exatamente como o algoritmo do Facebook determina o que é relevante para os seus usuários. Mas, mesmo com as mudanças, ainda há alguns elementos conhecidos que fazem parte do processo e podem ajudá-lo a aumentar o seu tráfego.

    Vamos falar deles fatores a seguir:

    Como o Facebook determina o que aparece no feed dos usuários?

    Entre os fatores conhecidos que o algoritmo do Facebook considera ao determinar o que cada usuário irá visualizar no perfil, estão:

    1 – Que tipo de post o usuário mais interage.
    Por exemplo: texto versus foto, foto versus vídeo e assim por diante.

    2 – Conteúdo indesejado.
    Spam e conteúdos que o usuário esconde no seu feed (opção “hide”).

    3 – Como o usuário interage com o Facebook ads (as divulgações e links pagos).

    4 – Em que dispositivo o usuário navega e qual a velocidade da sua conexão.

    Além disso, o sistema de ranking original do Facebook, “os três pilares de EdgeRank” ainda permanece como parte do algoritmo atual que determina a visualização do feed:

    Afinidade

    Este pilar é um indicativo da relação com o usuário. Quanto o usuário interage com a sua página?

    Peso

    Este pilar se refere ao tipo de conteúdo compartilhado. O Facebook prioriza conteúdos visuais: vídeos e fotos.

    Declínio (decadência)

    Este pilar se refere ao tempo da sua postagem. Quanto mais velho um post, menos provável é que ele apareça no feed de notícias.

    Também é muito claro que elementos do comportamento de navegação do usuário (user behavior) afetam imensamente a visibilidade de um post.

    Por exemplo, um usuário visualizará mais frequentemente as publicações da rede de amigos ou marcas que ele mais interage ou interagiu anteriormente (quanto mais recente a interação com um amigo “X” mais provável será visualizar os seus conteúdos).

    As interações anteriores do usuário com um determinado tipo de postagem (foto, imagem, tema ou outro) é outro fator levado em consideração. Se este usuário demonstra maior afinidade e engajamento com um dado formato de postagens será mais provável visualizar conteúdos com as mesmas características no seu feed.

    O-guia-completo-para-aumentar-seu-tráfego-orgânico-no-Facebook

    Ainda, as reações de um user em relação aos conteúdos visualizados são fatores que fazem parte do processo de seleção do que uma pessoa verá posteriormente no seu perfil. Exemplificando: quando um usuário tiver reações positivas, como “curtir” uma publicação, maior será a chance de receber conteúdos similares. Mas, se o feedback a uma postagem for negativo, menor vão ser as chances daquele tipo de postagem aparecer no feed daquele perfil.

    Aumentado o tráfego orgânico no Facebook em 10 dicas

    Apesar dos novos desafios há muitas formas de vencer as mudanças do Facebook. Você pode usar os elementos citados acima a seu favor e trabalhar algumas maneiras de continuar construindo e aumentando a sua audiência. A seguir listamos 10 dicas de como fazer isto:

    1. Poste conteúdo de qualidade
      Você já deve ter ouvido essa dica diversas vezes. E, por mais óbvio que pareça, a quantidade de conteúdo sem qualquer relevância que ainda é produzido e jogado na rede nos faz pensar que é sempre bom lembrar: produza conteúdo qualificado!

    Conteúdo relevante continua sendo a melhor maneira de gerar valor no Facebook, mesmo com as mudanças no algoritmo da plataforma.

    Páginas que publicam informações qualificadas: que agregam valor à vida das pessoas, ensinam, entretêm ou levam os usuários a alguma reflexão ainda são capazes de alcançar as pessoas no feed de notícias.

    1. Mas poste na medida certa!
      A frequência de postagens no perfil de uma marca não deve ser muito alta. Afinal, você pode acabar sobrecarregando seu público com informações e poluindo o feed dos usuários.

    Este tipo de comportamento costuma irritar as pessoas nas redes sociais e pior – provavelmente – você atrairá os temidos “haters”.

    1. E no tempo certo: faça postagens fora dos horários de pico
      A lógica é muito simples: fora dos horários de pico você terá menos concorrência. O fluxo de postagens será menor e o seu conteúdo terá mais chances de se destacar.

    Também vale avaliar em que horários o seu público alvo costuma acessar as suas publicações. Pode ser interessante fazer testes e estabelecer um cronograma de publicações baseado na rotina de navegação do seu público.

    1. Faça do Facebook Insights seu melhor amigo
      O Facebook Insights é a melhor ferramenta para acompanhar e avaliar os seus esforços, verificando o que está dando certo, que postagens o seu público mais aprecia e assim direcionar – e redirecionar – as suas ações na rede social.

    A ferramenta também é uma fonte valiosa de dados sobre o seu público.

    1. Segmente o seu conteúdo usando o “Facebook organic post targeting”
      No Facebook é possível definir informações específicas e melhor entregar os seus conteúdos para uma audiência certa e segmentada. Você pode adequar quem vê as suas postagens de acordo com personas (avatares que representam consumidores ideais) definidas para o seu negócio.

    Nas configurações do perfil você deve habilitar a opção de “targeting” e definir os parâmetros de segmentação. A base é feita por dados demográficos (sexo, idade, educação, localização, linguagem…), mas há algumas outras opções.

    1. Links: faça do seu perfil um caminho para outros conteúdos!
      Inclua links para o seu website ou para páginas com conteúdos complementares a postagem. Quando os usuários são nutridos com informações que o ajudam a resolver os seus problemas de consumo, eles interagem mais com a marca. Assim, suas publicações podem ganhar mais espaço no feed destes potenciais clientes e gerar conversões.

    Além disso, a audiência do Facebook ama links. Os conteúdos com links só perdem para os vídeos na preferencia dos usuários.

    1. Aposte em conteúdos com grande apelo visual. Sobretudo, aposte em vídeos.
      Como já foi citado, fotos e vídeos são formatos que levam vantagem na plataforma. O Facebook prioriza estes formatos, por que são conteúdos com altos índices de afinidade e engajamento.

    Os vídeos têm os melhores resultados no Facebook.

    Além disso, a empresa está investindo cada vez mais em tecnologias para melhorar a visualização de vídeos na plataforma. Prova disto é o “autoplay”, ferramenta que busca atrair a atenção das pessoas e libera 3 segundos do vídeo enquanto o usuário passeia pela timeline no seu feed de notícias.

    1. Compartilhe material didático e intuitivo
      Infográficos e pictográficos são formatos que caíram no gosto das pessoas. Eles estão entre os tipos de conteúdo que ganham mais “curtidas” e compartilhamentos em diversas redes sociais, o Facebook incluso.

    São conteúdos autoexplicativos, que podem ser usados para divulgar informações valiosas, com design bastante atrativo.

    1. Faça perguntas nas suas postagens
      Na lista do “top 10 das postagens” de 2014, divulgada pelo Facebook, 20% eram de conteúdos que questionavam os usuários.

    Fazer perguntas ao seu público é uma tática que gera grande participação dos usuários e demostra valor e interesse pela opinião do público. O potencial consumidor gosta de ser ouvido e falar sobre as suas expectativas e dar sugestões.

    1. Tenha foco na construção de comunidades
      Eu sei que você pode estar pensando que comunidades eram ferramentas de uma rede social já extinta: o Orkut. No entanto, algumas regras da construção de comunidades também valem para o Facebook.

    Muitas empresas criam perfis, mas perdem a oportunidade de interagir de forma mais profunda com seu público. Gastar tempo criando atividades (concursos, enquetes…), dando feedbacks aos comentários e –realmente – ouvindo os seus seguidores fará com que eles tenham melhor percepção da marca e maior engajamento. Com o tempo você terá fidelizado pessoas a sua página que podem se tornar divulgadores naturais da empresa.

    Viu? Agora você está pronto para melhorar os seus resultados no Facebook.

    Veja também:

    O guia completo para aumentar seu tráfego orgânico no Facebook via Rock Content

    Postado por Meme Digital | Agência de Marketing Digital & Desenvolvimento Web Campinas/São Paulo.
    Fotos/Reprodução

  • EmMarketing Digital

    O papel dos links patrocinados em sua estratégia de conteúdo

    Não é segredo que, atualmente, uma das melhores formas de fazer com que a sua empresa seja encontrada por potenciais clientes é através da internet. As opções de visualização são diversas, contudo, sabemos que a metodologia de Inbound Marketing é a melhor maneira de atrair potenciais clientes, pois leva em conta o comportamento do consumidor, suas necessidades e dores. Neste sentido, o Marketing de Conteúdo corresponde a aproximadamente 90% da estratégia, segundo a HubSpost, e por isso deve ser utilizado pelas empresas que desejam ganhar visibilidade na internet.

    Uma estratégia de conteúdo é composta por diversos elementos e hoje vamos falar sobre um deles: os links patrocinados. Em específico, no post de hoje, vamos abordar o papel do link patrocinado em sua estratégia de conteúdo. Vamos lá?

    O que é link patrocinado?

    O link patrocinado é um recurso muito importante e extremamente útil para as empresas que desejam estar presentes na internet, ganhar visibilidade e atrair tráfego para o seu site ou blog.

    Se você já fez alguma busca no Google, você deve se lembrar dos primeiros links que aparecem como opção para serem clicados, no topo da busca. Esses são o que chamamos de links patrocinados.

    Eles levam esse nome porque são vendidos pelo Google, em um formato de leilão, para que você escolha as palavras-chave que mais combinam com o seu negócio e a oferta em questão e então apareçam nas buscas de quem digitar essas palavras-chave exatas. Neste cenário, quanto mais desejadas forem as palavras-chave, mais caros serão os lances para obtê-las.

    Se você der um lance por determinada palavra-chave e ganhar o leilão, isso significa que quando um usuário digitar essa palavra-chave, o seu link aparecerá acima de todos os outros, até mesmo na busca orgânica (não paga).

    Como funciona o Google AdWords?

    Existem diversos locais onde você pode testar sua campanha de link patrocinado, como o Facebook, YouTube, Instagram e outras plataformas e mídias sociais. Contudo, os links patrocinados mais utilizados ainda são os da plataforma do Google AdWords. Por esse motivo, separamos um tópico para explicar como essa plataforma funciona.

    O-papel-dos-links-patrocinados-em-sua-estratégia-de-conteúdo

    Conforme afirmamos anteriormente, provavelmente você já fez uma busca no Google. Este é o motor de busca mais utilizado ao redor do mundo. Além disso, com o Google AdWords, a compra de palavras-chave permite diversas maneiras de segmentação de anúncios para alcançar todas as personas de sua estratégia de conteúdo. Dessa maneira, você irá atrair apenas potenciais consumidores.

    É importante ressaltar que o Google separa as agências e profissionais confiáveis – que irão gerenciar os seus links patrocinados – dando a eles uma certificação. Para distingui-los, é só observar os links que aparecem na página principal com uma barra de cor diferente, bem no topo. Além disso, também existem os sites parceiros, que podem aparecer em diversos lugares, dependendo do tipo de anúncio escolhido.

    Na hora de traçar uma campanha de link patrocinado, é preciso ater-se ao objetivo principal para conseguir buscar as palavras-chave ideais para o seu negócio. Destaca-se aqui a necessidade de levar em conta sua estratégia de conteúdo, as palavras-chave que você já utiliza e suas personas.

    Quais as principais modalidades de link patrocinado?

    Existem três modalidades principais quando se fala em link patrocinado. E cada uma possui suas singularidades e benefícios. Por isso, é importante entender um pouco melhor sobre cada uma delas antes de bolar sua campanha.

    CPC (Cost Per Click, ou custo por clique)

    Essa é a forma mais utilizada, pois o anunciante paga o preço estipulado por clique no anúncio. No Google AdWords, esse preço é estipulado pelo sistema de leilão, tendo um valor máximo, mas que não é obrigatório.

    Uma das vantagens dessa modalidade está na visibilidade, que é alta. Além disso, o anunciante só paga para quem clicar no anúncio, de fato.

    Essa modalidade deve ser escolhida pelo anunciante que tem como objetivo a conversão em compra, ou seja, o clique irá enviar o usuário para um formulário a ser preenchido.

    CTR (Click Through Rate, ou taxa de cliques)

    Essa modalidade representa a porcentagem de pessoas que clica em seu anúncio. É utilizada por anunciantes que desejam chamar a atenção da audiência para alguma peça publicitária ou algum conteúdo específico, levando o público a ter mais informações e detalhes sobre o assunto.

    Essa é uma boa opção para quem deseja atingir usuários que já estão na fase final do funil, prestes a tomar sua decisão de compra e estão buscando tirar algumas dúvidas finais.

    CPA (Cost Per Action, ou custo por ação)

    Essa modalidade permite calcular mediante a conversão. Ela visa conversão em venda, e uma das vantagens é que a campanha foca na ação de escolha do anunciante. Além disso, o investimento é proporcional ao resultado obtido, potencializando o retorno.

    Nesse tipo de modalidade, o pagamento só vai ocorrer se o usuário fizer a ação deseja. Ou seja, se o seu objetivo é que ele preencha o cadastro, o pagamento será em cima dos cadastros realizados. Ela é bastante utilizada em parcerias e programas de afiliados.

    Por que investir em link patrocinado?

    O link patrocinado é essencial em sua estratégia de conteúdo, pois ele potencializa a visibilidade do valor que você gera através de e-books, webinars e outros materiais ricos. Além disso, ele alavanca a visibilidade de ofertas e promoções e ajuda na conversão de leads ao solicitar inscrições e cadastramentos.

    O-papel-dos-links-patrocinados-em-sua-estratégia-de-conteúdo

    Para uma marca ser vista, ela precisa estar nos mecanismos de busca, principalmente no Google. O Marketing de Conteúdo por si só auxilia – e muito – na busca orgânica, mas sabemos que uma boa estratégia de Inbound Marketing é um mix de ações, ou seja, um equilíbrio entre mídia paga e orgânica.

    Sua empresa precisa investir na visibilidade, pois quem não é visto não é lembrado. E ao optar por não investir em um link patrocinado, você pode estar desperdiçando a chance de converter diversos leads em consumidores fieis da sua marca. Além disso, seu concorrente pode estar agora mesmo participando de um leilão por uma palavra-chave que poderia ser sua e com isso, atraindo mais visitantes e gerando novos negócios.

    Qual o papel do link patrocinado em sua estratégia de conteúdo?

    Agora que entendemos o que é um link patrocinado, suas modalidades, como funcionam e sua importância, é fundamental compreender o papel do link patrocinado em sua estratégia de conteúdo.

    A metodologia de Inbound Marketing não pratica ações isoladas, todas elas sempre estão em sintonia, conversando entre si. E com o link patrocinado associado ao conteúdo, não é diferente.

    Muitas empresas, contudo, apesar de compreenderem a importância no link patrocinado, não o praticam da forma correta, cometendo alguns erros, citados pela HubSpot, como:

    • Tráfego a qualquer custo e a partir de qualquer canal, sem foco. Dessa maneira, não são gerados leads qualificados e não é possível fazer uma nutrição de leads assertiva.
    • Foco apenas na venda. Nesse caso não há sinergia entre a campanha de link patrocinado e a estratégia de conteúdo, resultando em um baixo ROI. Você sabe que o conteúdo precisa ser engajador e criar valor para os clientes, por isso não os desperdice em um link patrocinado com um discurso de vendas puro.

    Uma campanha de link patrocinado que traga resultados precisa identificar as palavras-chave relevantes para a estratégia de conteúdo e para a estratégia de Inbound Marketing como um todo, pensando nos possíveis resultados de conversão, além de avaliar o custo de aquisição do cliente – ou seja, qual a melhor modalidade de link patrocinado e elaborar um budget mensal para esse elemento da estratégia – o link patrocinado.

    Assim como no conteúdo, o link patrocinado precisa de tempo e dedicação para apresentar resultados positivos.

    Segundo a HubSpot, mais de 40% dos cliques vão para os três primeiros resultados do Google. Isso quer dizer que o link patrocinado domina o tráfego dos visitantes. Entretanto, se o seu conteúdo não for relevante e nem útil para tais visitantes, não haverá conversão. E quando falamos de conteúdo, estamos nos referindo desde o conteúdo da peça publicitária até o conteúdo da página de redirecionamento. Todo conteúdo importa.

    Além disso, atualmente os mecanismos de busca estão dando preferência para o link patrocinado, deixando os resultados orgânicos com apenas 14,8% do tráfego, enquanto o link patrocinado domina com 85,2%.

    Isso quer dizer que para montar uma estratégia de conteúdo efetiva, você deve pensar no link patrocinado como um dos pilares. Ele será o chamariz para o seu conteúdo e o primeiro contato do visitante com seu negócio e a sua solução, por isso precisa ser bem pensado e elaborado. Entretanto, um não funciona sem o outro. É uma via de mão dupla. Por este motivo, ele está inserido dentro da sua estratégia de conteúdo e não é uma ação isolada. Sua estratégia precisa estar afinada com as necessidades e dores do seu público-alvo, assim como todos os estágios do funil de vendas.

    Outro ponto a ser considerado é a otimização do conteúdo das landing pages (para onde o usuário será direcionado). Para isso, alinhe seu link patrocinado à sua landing page. Você pode fazer isso utilizando o mesmo texto da descrição do seu anúncio no primeiro parágrafo da sua página de destino. Além disso, utilize o mesmo título do link patrocinado no título da sua landing page. Conforme Neil Patel, isso deixará o link patrocinado e a landing page alinhados na visão do Google, tornando-o mais relevante e de qualidade.

    O-papel-dos-links-patrocinados-em-sua-estratégia-de-conteúdo

    Por fim, uma ótima dica é aproveitar o aumento do tráfego para fazer testes. Ao realizar campanhas de link patrocinado dentro de uma estratégia de Inbound Marketing, você pode fazer um monitoramento constante e ver o que está ou não funcionando na captação de leads, modificando o que for necessário em tempo real.

    Utilize essa vantagem para extrair dados riquíssimos com os relatórios oferecidos pelo Google AdWords e Google Analytics, por exemplo. Contudo, para isso, você deve refletir e escolher seus KPIs com sabedoria, ainda na fase de planejamento da campanha. Seja objetivo e pense no que realmente importa para o seu negócio. Pergunte-se, por exemplo: essa landing page me trouxe quantos cadastros? Ou então: quais os conteúdos mais visitados e mais lidos do meu blog?

    Esses dados tornarão possível a criação de novos conteúdos ainda melhores, mais relevantes e que colaborarão para a geração de mais leads qualificados, otimizando o desempenho de suas landing pages e aprimorando o ROI de sua campanha de link patrocinado.

    Veja também:

    O papel do link patrocinado em sua estratégia de conteúdo via ContentTools

    Postado por Meme Digital | Agência de Marketing Digital & Desenvolvimento Web Campinas/São Paulo.
    Fotos/Reprodução

  • EmMarketing Digital

    11 Vantagens de Anunciar em Links Patrocinados

    Links patrocinados podem ser uma ferramenta simultânea à sua estratégia de marketing para aumentar os cliques orgânicos. Hoje as empresas procuram incentivar os cliques naturais, mas criar um caminho paralelo para aumentar a conversão é sempre bem-vindo, certo?

    Confira 11 benefícios dos links patrocinados para sua estratégia de marketing digital.

    1. Anunciantes aparecem para palavras-chave relevantes

    Dessa forma, fica mais fácil e rápido levar produtos e serviços ao seu público-alvo. Essa é a primeira vantagem em anunciar através de Links Patrocinados!

    2. Anunciante paga apenas por clique (CPC)

    Você só precisará pagar o valor equivalente ao número de cliques recebidos no seu anúncio. Outra vantagem em anunciar com Links Patrocinados!

    3. Valor do clique é determinado pelo mercado

    Uma espécie de leilão por cada palavra-chave define o valor do clique. Uma vantagem justa em anunciar através de Links Patrocinados.

    4. Segmentação regional

    Não importa se o seu público-alvo está em uma pequena cidade do interior ou espalhado em uma grande metrópole. O Google Ads vai encontrá-lo e exibir o seu anúncio. Bastante útil, não?

    5. Fácil acompanhamento resultados

    Links patrocinados oferecem métricas avançadas para que você possa estar sempre por dentro da performance dos seus anúncios.

    6. Remarketing

    Os anúncios podem ser expandidos para outras plataformas de acordo com o perfil do usuário na web, como Gmail, rede de display, etc. Essa vantagem do link patrocinado é praticamente uma segunda chance de venda!

    7. Branding

    Quanto mais cliques seu anúncio recebe, mais visibilidade seu site acumula e, consequentemente, mais fortalecida é a sua gestão da marca.

    8. O principal formato de anúncio para E-commerce

    Para os comércios online, os links patrocinados mais eficientes aparecem no formato de Google Shopping.

    9. Empresas de todos os tamanhos

    Das micro empresas, pequenas startups até as multinacionais: qualquer empresa pode se beneficiar com o Google Ads. Isso porque é possível investir desde valores baixos até cifras milionárias em campanhas.

    Vantagens de Anunciar em Links Patrocinados
    Algo aparentemente tão suave que move uma engrenagem completa! #LinkPatrocinado

    10. Relatórios de links patrocinados

    A ferramenta oferece um relatório completo com a performance dos seus anúncios. Tudo para que você possa sempre aprimorar suas estratégias com base em documentos sólidos, e não achismos.

    11. Vendas!

    O usuário que clica no anúncio é aquele que já sabe o que quer comprar, e está muito próximo de realizar essa ação. Essa é, sem dúvida, a maior vantagem do link patrocinado!

    O que você deve considerar antes de usar links patrocinados

    Acredito que você já está esteja convencido do que os links patrocinados podem fazer por você. Então, se decidir ir em frente com essa estratégia, tenha certeza de checar alguns fatores importantes antes. Entre eles, destaco os seguintes:

    Custos envolvidos

    Que os links patrocinados têm um ótimo custo-benefício e podem trazer bons resultados até com baixos investimentos, isso muita gente já sabe.

    Mas é sempre bom avaliar que, obviamente, cada custo envolve um tempo médio para que os resultados cheguem até você. Portanto, determine um valor que possa corresponder às suas expectativas de acordo com o tempo esperado.

    Vantagens de Anunciar em Links Patrocinados
    Algo aparentemente tão suave que move uma engrenagem completa! #LinkPatrocinado

    Tempo de retorno

    Uma das principais características envolvendo os links patrocinados é o retorno rápido dos investimentos. Mas, é claro, isso também vai depender da sua estratégia. Via de regra, quanto mais você investir, mais rapidamente você alcança resultados significativos.

    Variedade de canais

    Aqui o pensamento é o mesmo. Quanto mais canais você utilizar, maiores as chances de retorno. Considere fazer essa variação.

    Embora o Google seja o queridinho de todos nós, buscadores como Bing, por exemplo, também podem garantir resultados satisfatórios, justamente pela baixa concorrência.

    Além disso, anunciar em redes sociais e redes de display também são excelentes opções para potencializar seus resultados.

    Conteúdo especializado

    Antes de criar a sua campanha, procure entender como funciona cada canal para produzir conteúdos adequados para os seus anúncios.

    Seja no Facebook, Instagram, Google ou qualquer outra plataforma, é importante que o anúncio seja atrativo, bem escrito e esteja relacionado com as palavras-chaves certas.

    Quanto mais você se preparar com conteúdos especializados sobre o assunto, maiores as chances de conversão em sua estratégia.

    Links Patrocinados: O Que São e Como Fazer Uma Campanha de Sucesso via Neilpatel

    Veja também:

    Postado por Meme Digital | Agência de Marketing Digital & Desenvolvimento Web Campinas/São Paulo.
    Fotos/Reprodução

  • EmMarketing Digital

    Links Patrocinados – O Que São e Porque Usá-los

    Você está insatisfeito com os resultados dos cliques orgânicos da sua campanha de marketing? Será que investir em links patrocinados é a melhor escolha?

    O marketing digital é um mundo razoavelmente novo, com inúmeros cenários possíveis.

    Por mais que você construa um planejamento detalhado e analise todas as variáveis, nem tudo acaba se tornando realidade.

    Afinal, lidar com a reação das pessoas é sempre um caminho instável. Mas não desanime.

    Se você conhecer seu público e entender qual método pode impactar mais o seu cliente, construir uma campanha de marketing eficiente será mais fácil. E aumentar as variações de abordagem pode ser uma boa opção.

    Links patrocinados podem ser uma ferramenta simultânea à sua estratégia de marketing para aumentar os cliques orgânicos.

    Hoje, as empresas procuram incentivar os cliques naturais, mas criar um caminho paralelo para aumentar a conversão é sempre bem-vindo, certo?

    Quero mostrar neste artigo tudo o que você precisa saber para usar links patrocinados e aumentar a sua taxa de conversão. Além de dar algumas dicas extras que você, com certeza, vai querer descobrir.

    Vamos lá? Boa leitura!

    O Que São Links Patrocinados?

    Você, com certeza já se deparou com links patrocinados na internet, seja nas redes sociais ou nas suas pesquisas nos buscadores.

    Links patrocinados, nos buscadores, são aqueles primeiros resultados que aparecem ao pesquisar sobre determinado assunto e, logo abaixo, são sinalizados como “patrocinados” ou com a palavra “anúncio” ao lado do título.

    Em algumas pesquisas, eles também podem aparecer na lateral direita do seu monitor, assim como os links patrocinados dentro do Facebook.

    Já no Instagram, eles aparecem na aba do feed.

    Por exemplo, se você procurar por aulas de inglês no Google, vai encontrar a seleção abaixo:

    Links-Patrocinados-O-Que-São-resultado-de-pesquisa-google

    Como o Google mesmo identifica, são anúncios pagos que são expostos em determinados lugares.

    Essa é a forma visual que você já está acostumado a ver. Mas, há algum tempo surgiram os links patrocinados nas redes sociais.

    Você já reparou que, depois de entrar em determinada loja online ou procurar por algum produto, ao acessar suas redes sociais, itens semelhantes aparecem no seu feed?

    Pois é! Esses são os links patrocinados das redes sociais.

    Links-Patrocinados-O-Que-São-post-patrocinado-instagram

    Hoje, as duas redes que mais se utilizam dessa ferramenta de anúncio são o Facebook e o Instagram.

    E o valor que cada anunciante desembolsa está ligado diretamente com a escolha da palavra-chave para aquele link patrocinado.

    Afinal, quanto mais genérica é a palavra-chave, mais custoso será financiar esse anúncio.

    Você é quem decide qual método usar e qual o valor inicial vai investir.

    Qual a origem dos links patrocinados?

    Para entender melhor o funcionamento dos links patrocinados, vamos antes voltar alguns anos no tempo para descobrir como tudo começou.

    Foi em 1998 a primeira vez que os links patrocinados foram usados na internet.

    O conceito foi desenvolvido pelo empresário Bill Gross, que, na época, havia fundado a empresa GoTo.com.

    Nesse contexto, a ideia dos links patrocinados era mais ou menos a mesma que adotamos nos dias de hoje.

    Links-Patrocinados-O-Que-São

    Ou seja, depois de definir o valor da campanha, o anunciante deveria pagar um determinado custo a cada clique efetuado pelo usuário (vem aí a métrica CPC – Custo Por Clique).

    Assim como acontece atualmente, esse custo era decidido por meio de leilão das palavras-chave.

    Já em 2001, o Google ofereceu um acordo de 300 milhões de dólares para adquirir a patente dos links patrocinados – uma bagatela, se pensarmos no poder dessa ferramenta para que ele se tornasse o ícone que é hoje.

    Um ano depois, o site “Cadê?” da empresa Yahoo também passou a trabalhar com links patrocinados no seu buscador.

    Em 2005, foi a vez do provedor UOL lançar seus links patrocinados.

    Parece que foi há muito tempo – e de fato, foi, se pensarmos que 15 a 20 anos na atual era digital representam mesmo uma eternidade.

    O que são links patrocinados no Facebook?

    Links patrocinados no Facebook são os anúncios pagos gerenciados pela plataforma e fundamentais para qualquer estratégia de marketing digital.

    Primeiro, porque todo mundo está no Facebook.

    E não é exagero, já que há 2,4 bilhões de usuários ativos na plataforma, de acordo com o Statista.

    Em segundo lugar, porque, por meio de algoritmos super inteligentes e avançados, o Facebook Ads oferece opções extremamente segmentadas para você atingir seu público-alvo.

    Com a ferramenta, você consegue exibir seus anúncios de acordo com as preferências e comportamentos de cada usuário, poupando um tempo precioso para a sua empresa.

    E tem mais: quem anuncia no Facebook pode ainda expandir o mesmo conteúdo para o Instagram, Messenger e sites parceiros.

    Uma bela oportunidade, não é mesmo?

    Como fazer um link patrocinado no Google?

    Se você já se convenceu da importância dos links patrocinados para impulsionar os seus negócios, chegou a hora de entender como colocar tudo isso em prática.

    São três etapas, basicamente.

    Falo sobre elas agora:

    1. Defina um objetivo claro

    O que deseja atingir com sua campanha? Para facilitar, o Google oferece algumas opções, como:

    • Receber mais ligações na sua empresa
    • Atrair mais visitantes na loja física
    • Gerar tráfego para seu site

    Para cada objetivo escolhido, o Google fornecerá as ferramentas mais adequadas.

    2. Decida onde quer anunciar

    Para que lugares do Brasil ou do mundo você quer exibir seu anúncio?

    De interesse local até global, o Google vai saber direcionar seu conteúdo para as pessoas certas.

    3. Crise sua mensagem

    Resuma em poucas palavras o que sua empresa ou produto tem de melhor.

    Aqui, você também pode adicionar imagens ou banners para criar um anúncio ainda mais atrativo.

    4. Defina seu orçamento

    Um orçamento mensal poderá ser ajustado toda vez que você desejar.

    5. Publique o anúncio

    Depois de cumprida todas as etapas anteriores, é só publicar o seu material.

    Seus anúncios serão exibidos de acordo com as suas preferências, e terão a opção de aparecer no buscador Google, no Google Maps e em sites parceiros.

    Por último, você só vai precisar pagar o equivalente ao número de cliques dos usuários em seus anúncios.

    Links-Patrocinados-O-Que-São

    Como fazer links patrocinados no Instagram?

    Também é possível anunciar no Instagram. A grande vantagem do Instagram Ads, além de mirar 1 bilhão de usuários, são os vários recursos que a plataforma oferece para editar seu anúncio.

    Entre eles, estão vídeos, fotos e opções interativas para chamar a atenção do usuário.

    Se você já tem seu perfil comercial no Instagram vinculado ao Gerenciador de Negócios do Facebook, pode começar a sua campanha em alguns passos simples.

    Vamos a eles!

    1. Escolha o objetivo da campanha

    Para isso, você deverá acessar o Gerenciador de Anúncios, na sua página comercial do Facebook.

    Assim como no Google Ads, esses objetivos podem variar de acordo com seus interesses, o que inclui:

    • Alcance
    • Envolvimento
    • Leads.
    • E por aí vai.

    2. Defina as suas preferências

    No mesmo painel, você poderá escolher o orçamento, público-alvo, imagens, textos e incluir o seu CTA (call to action), a chamada à ação

    Lembre-se de que as imagens são os itens mais valorizados no Instagram, e, se não forem atraentes, o público pode simplesmente passar reto sem pensar duas vezes.

    3. Escolha o local de veiculação do anúncio

    Basta selecionar a opção “Feed do Instagram”.

    Depois, é só ficar de olho e monitorar bem de perto o andamento da sua campanha.

    A boa notícia é que, tanto o Google quanto o Facebook e o Instagram Ads, oferecem métricas super completas para esses fins.

    Links-Patrocinados-O-Que-São

    Por que usar links patrocinados na sua estratégia digital?

    Não sei você, mas eu simplesmente não consigo mais imaginar a minha vida hoje em dia sem o Google. E tenho certeza que muita gente também não.

    É para esse buscador que as pessoas recorrem quando querem fazer uma pesquisa, decidir um lugar para ir ou onde fazer uma boa compra.

    Mas se, por um lado, o Google é um prato cheio para as empresas, por outro, ganhar visibilidade de forma orgânica e competir com marcas maiores pode ser um desafio muito difícil de ser superado.

    É por isso que os links patrocinados são tão importantes.

    Além de destacarem os seus anúncios entre os primeiros lugares do buscador, eles são exibidos para as pessoas certas e nos locais certos.

    Links Patrocinados: O Que São e Como Fazer Uma Campanha de Sucesso via Neilpatel

    Veja também:

    Postado por Meme Digital | Agência de Marketing Digital & Desenvolvimento Web Campinas/São Paulo.
    Fotos/Reprodução

  • EmMarketing Digital

    Quanto custa a publicidade no Google Ads? Você decide!

    O formato de anúncios no Google Ads tem ajudado empresas de todos os portes a alcançar suas metas de vendas no fim de mês. A facilidade na configuração das campanhas e flexibilidade no investimento são os fatores que fazem dessa mídia uma das maiores no mundo online de hoje. Mas como fazer, onde anunciar e quanto custa publicidade no Google?

    A resposta pra você que quer saber quanto custa anunciar no Ads é simples: você decide. É possível começar investindo R$10, R$50, R$1000 ou mais. Tudo vai depender de como está o planejamento da sua empresa para mídia paga e qual resultado deseja obter.

    Usar esse canal para trazer novos visitantes e clientes é uma estratégia complementar a outras que foquem em lugares onde anunciar na internet. E, para te ajudar a extrair o que essa mídia tem de melhor, vamos fazer um breve overview sobre a ferramenta nesse post. Quer saber mais? Continue lendo.

    Como funciona e quanto custa a publicidade no Google Ads

    O Google Ads é uma ferramenta de anúncios online que podem ser exibidos em três formatos principais: links patrocinados, banners (Google display network) e vídeos (Youtube).

    Todos as formas de campanhas seguem o mesmo raciocínio em sua estrutura de cobrança: o valor pago nos anúncios é baseado em um leilão online. Esse leilão acontece sem que o anunciante veja, em milésimos de segundos. No momento que se configura uma campanha no Ads, deve-se escolher o preço médio e máximo que você deseja pagar pela exibição daquele anúncio.

    Um preço médio muito abaixo do que os outros anunciantes estão oferecendo vai fazer com que seu anúncio não apareça, e no caso de ele estar muito alto, será um bom dinheiro que você estará desperdiçando.

    Fique atento a segmentação que será direcionada e otimize seu investimento nas campanhas.

    Links Patrocinados

    Os anúncios de links patrocinados são os mais comuns. Ao fazer uma busca no Google, você já deve ter reparado que os 3 ou 4 primeiros resultados aparecem com uma tag “Anúncio”, são eles.

    Essa opção de anúncio possui o formato de segmentação baseado principalmente em palavras chaves, podendo também ser segmentado por região, idioma, entre outros. Essas palavras não são nada mais que a forma como os usuários buscam a informação no Google.

    O poder de segmentação desse tipo de anúncio é enorme, imagine que você tenha uma loja online de produtos naturais. Você direcionar sua campanha para aparecer quando o usuário digitar “loja de produtos naturais online”, assim, você só irá pagar quando clicarem em seu anúncio, trazendo um público extremamente qualificado para sua loja online.

    Quanto custa publicidade no Google por campanhas de Links Patrocinados? Varia de acordo com a escolha das palavras chaves, quanto mais concorrida, mais caro será. Uma campanha direcionada para uma palavra com concorrência normal fica em média de R$0,30 a R$0,60 centavos o clique.

    Banners

    O Google possui uma rede de mais de 2 milhões de sites parceiros. Eles cedem espaço para anúncios de banners e ganham uma comissão do Google por isso.

    Para empresas que desejam anunciar, a opção de anúncios gráficos como banners comuns ou animados pode ser também uma boa alternativa. A campanha pode ser configurada para ser exibida somente em sites que alcancem seu público alvo, aposte na criatividade na hora de criar seu banner digital e tenha melhores resultados.

    Quanto custa a publicidade no Google através de campanhas de banners? Da mesma forma como os Links Patrocinados, vai depender da segmentação que você escolhe. Nesse tipo de anúncio, você pode escolher pagar por mil impressões (CPM) ou por clique (CPC). As campanhas com concorrência normal de CPM variam de R$0,10 a R$0,40 centavos, já as de CPC vão de R$0,35 a R$,70 centavos, em média.

    Vídeos

    Desde que o Google comprou o Youtube em 2006, ficou muito mais fácil anunciar nesse canal. Hoje é possível criar campanhas através da própria ferramenta do Google Ads, direcionada ao segmento que você deseja atingir. Com mais de 1 bilhão de usuários, pode ter certeza que o Youtube é uma mídia na qual as empresas devem estar.

    O que limita ainda a participação de novos negócios nessa mídia é que o principal formato de anúncio é o vídeo, ou seja, você precisar criar uma propaganda em forma de anúncio para atingir mais pessoas.

    O interessante desse tipo de campanha é que você pode optar por pagar os anúncios que somente sejam assistidos completamente por seu público, que é chamado de Custo por Visualização (CPV).

    Quanto custa a publicidade no Google através do Youtube? Por ainda ser pouco explorada, essa mídia possui um custo médio de R$0,05 a R$0,20 centavos por visualização.

    Dicas para otimizar seus custos de publicidade no Google

    Antes mesmo de iniciar criar campanhas no Google Ads, fique ligado nessas dicas que separamos para seu negócio alcançar os melhores resultados.

    • Melhore seu site: de nada adianta trazer milhares de visitantes se seu site não está de acordo com o anúncio e bem estruturado para conversões. Por isso, otimize as landing pages do seu site, deixe-as prontas para converter visitantes em leads e clientes!
    • Acompanhe os resultados: você poderá definir seu orçamento diário para as campanhas, assim, fique de olho (pelo menos) semanalmente quanto está seu custo por visitante, quais anúncios estão trazendo os melhores clientes e quais você pode pausar da campanha.
    • Ajuda profissional: se não tem tempo para acompanhar de perto os resultados, procure uma agência como a Links Experts para anunciar sua empresa no Google Ads, Facebook Ads, Instagram e outras mídias.

    Estamos prontos para esclarecer todas suas dúvidas e criar a melhor estratégia de mídia paga para seu negócio.

    Ficou alguma dúvida sobre quanto custa publicidade no Google? Deixe seu comentário aqui embaixo, vamos adorar te ajudar nessa!

    Veja também:

    Quanto custa a publicidade no Google Ads? Você decide! via Links Experts

    Postado por Meme Digital | Agência de Marketing Digital & Desenvolvimento Web Campinas/São Paulo
    Fotos/Reprodução

  • EmMarketing Digital

    Google Ads ou Facebook Ads: qual traz melhores resultados?

    Google Ads ou Facebook Ads? Qual dessas duas plataformas traz mais resultados para o seu ecommerce?

    É provável que tenha pensado na questão acima enquanto montava uma operação de vendas na internet. Afinal de contas, ninguém quer investir dinheiro sem ter retorno desse investimento. Por isso é tão importante saber as estratégias que vai adotar na hora de anunciar – e quais serão mais valiosas.

    Este artigo irá te ajudar a entender qual das duas plataformas de anúncios é a mais indicada para o seu negócio. Abaixo estão os pontos fracos e fortes de cada uma, assim como exemplos e quando utilizar cada uma uma.

    Pesquisas sobre Google Ads e Facebook Ads

    O tema abordado neste artigo é de extrema importância para sua vida como empreendedor digital. Aliás, saber em quais canais de marketing investir é fundamental para seu orçamento. Por vezes é isso que separa os bons empreendedores daqueles que acabam ficando pelo caminho.

    De acordo com pesquisas divulgadas pelo próprio Google ao longo dos últimos anos, são feitas 40 mil pesquisas por segundo na plataforma. Um total de 3,5 milhões por dia. Não é uma surpresa tão grande, assim, saber que o alcança 90% dos internautas ao redor do mundo. Ela é a ferramenta de busca mais utilizada mundialmente, muito na frente dos seus concorrentes.

    O Facebook, por sua vez, conta com bilhões de usuários ativos no planeta. 127 milhões deles estão no Brasil – deu para sentir somos um dos países mais “viciados” em redes sociais do mundo, né?

    Só com essas informações você já conseguiria dizer qual das plataformas é mais efetiva na hora de trazer lucros para o seu negócio?

    Não? Então vamos aprofundar essa análise.

    Vantagens do Google Ads

    A rede de pesquisa do Google Ads possui uma grande vantagem sobre o Facebook Ads. Como os usuários precisam pesquisar palavras-chave dos produtos para obter uma resposta, eles já são considerados leads “qualificados”. Ou seja, já têm uma intenção de compra.

    Por exemplo: ninguém pesquisa “Calça Jeans Preta” no Google quando quer um suplemento. E, assim, o mecanismo de busca mostra para este usuário o resultado que condiz com o que ele quer. Dessa forma, os anúncios que aparecem são de Calça Jeans, não de outros produtos.

    Se um usuário está visualizando uma propaganda de um suplemento alimentar, ele acessou o Google e pesquisou por termos como “suplementos para ganhar massa” e coisas do gênero.

    Sendo assim, conclui-se que a grande vantagem do Google Ads sobre o Facebook Ads está no momento em que o anúncio aparece para o usuário. O Ads impacta as pessoas quando já estão no chamado “momento de compra”, então a taxa de conversão acaba sendo maior.

    Com todas essas vantagens do Google Ads, será que é a melhor escolha para o seu negócio?

    Vamos adiante.

    Vantagens do Facebook Ads

    É verdade que os usuários, no Facebook, não são considerados leads qualificados desde o início. Na realidade, muitas redes sociais, inclusive esta, são espaços de descoberta, onde o usuário se dá conta de que precisa de um produto ou serviço. Por isso é tão importante produzir conteúdos relevantes: chamar atenção e conseguir leads que, no futuro, serão qualificados.

    Isso quer dizer que o Facebook é ruim para vender?

    Longe disso. Sabendo utilizar o espaço e as ferramentas de maneira correta, é um espaço incrível de conversão.

    A mina de ouro do Facebook Ads

    Quando comparado ao Google Ads, uma vantagem do Facebook Ads é a especificidade na segmentação. No primeiro você consegue controlar regiões geográficas e palavras-chave; no segundo, uma gama de opções de nicho aparecem. Além disso, o Facebook Audience Insights, por exemplo, ajuda você a descobrir características bastante específicas da sua persona. É possível saber até as páginas que ela mais gosta.

    Utilizando as informações que os usuários disponibilizam e com as quais interagem, o algorítimo do Facebook consegue entender se seu anúncio funciona para ele ou não. Assim, Facebook Ads é uma verdadeira mina de ouro para o empreendedor que consegue usar esses dados sem se perder no meio de tanta informação.

    Além disso, o Facebook também possui um recurso chamado “lookalike audience”. Ela, de forma rápida, pega informações dos seus clientes atuais e os clona. Ou seja, ela busca por outros perfis semelhantes àquele dentro do Facebook.

    Por exemplo:

    • O que os seus melhores clientes curtem no Facebook?
    • Quais produtos compraram recentemente?
    • Quais portais costumam visitar?

    Todas estas são informações que poderá usar para encontrar mais pessoas que podem se interessar pelo que você vende.

    Também pode, pelo Facebook, utilizar estratégias de remarketing.

    Diferença entre Google Ads e Facebook Ads

    No Google Ads, quando um usuário vê seu anúncio, precisa decidir na hora se quer ou não. É a popular política do tudo ou nada, que a chance de venda é imediata.

    No Facebook Ads, há maior sutileza na venda. Por lá a pessoa pode simplesmente curtir a sua página e acompanhar suas postagens até que decida comprar alguma coisa.

    Pense, por exemplo, que você vive em São Paulo e tem um ecommerce de suplemento alimentar.

    No Google Ads, seu anúncio seria:

    • Região: São Paulo
    • Palavra-chave: Suplemento Alimentar

    No Facebook, você conseguiria fazer:

    • Homem e Mulher
    • Entre 18 e 30 anos
    • Que já manifestaram interesse por outras fanpages que falam sobre vida saudável, massa muscular, emagrecimento, etc.

    Entendeu a diferença?

    Outras Comparações

    Se você precisa vender o seu produto ou serviço ainda hoje, não tenho dúvidas em indicar o Google Ads. Como já disse, ele é mais objetivo, pois o usuário está no momento de compra ideal. Assim, meio caminho já está andado.

    Por outro lado, se você está focado em construir e impactar uma base de clientes recorrentes, o Facebook Ads é melhor. Lá, aos poucos, sua audiência será construída e fortalecida. É um ativo que está sendo formado.

    Depois de vender, você manterá o relacionamento e continuará promovendo campanhas para sua audiência. Quando uma pessoa é fã da sua marca nas redes sociais, ela com certeza está propensa a fazer uma compra. Além disso, vai indicar seus produtos para outros usuários.

    (…)

    Qual Plataforma de anúncios é melhor?

    Agora já falamos um pouco sobre as principais vantagens que fizeram de Google Ads e Facebook Ads as plataformas mais bem-sucedidas no mundo do marketing digital.

    Mas, afinal, se cada uma oferece recursos diferentes, em qual você deve apostar? Nas duas.

    A verdade é que enxergar Facebook Ads e Google Ads como concorrentes é uma limitação da sua visão empreendedora.

    É claro: comece testando uma possibilidade por vez, mas não exclua a outra. A maioria dos negócios possui estágios e oportunidades a serem aproveitadas tanto a nível de Google Ads quanto a nível de Facebook Ads.

    Quando usar cada uma

    Você é dono de uma loja virtual de brinquedos e sabe que com a proximidade do Dia das Crianças existe um pico nas buscas por esse tipo de produto.

    O que você faz? Bom, uma ótima opção é usar o Ads para, algumas semanas antes, iniciar campanhas com localização pré-definida, oferecendo frete grátis, por exemplo, somente para os clientes da sua cidade e região.

    Por outro lado, mesmo depois de passado o Dia das Crianças, as pessoas não param de comprar brinquedos.

    Nesse caso, é interessante construir uma audiência através do Facebook Ads. Por lá você conseguirá interagir frequentemente com seu público-alvo e fazer campanhas direcionadas somente para os curtidores da página.

    Se essas pessoas curtiram sua página, provavelmente vivem próximas a pelo menos uma criança. Logo, é bom fazer a sua marca ser lembrada por elas, pois tudo indica que em breve muitos desses clientes precisarão comprar algo que você está vendendo.

    Portanto, não procure respostas rápidas sobre qual a melhor solução para você. Invista bastante tempo estudando sobre ambas as plataformas e testando os resultados nas duas.

    É claro que uma provavelmente vai trazer um maior retorno. Nestes casos, aumente os investimentos nela e, se for o caso, diminua na outra. O que você não pode fazer é parar de testar.

    No mundo dos negócios, grandes resultados são conquistados a partir de tentativa e erro.

    Taxa de conversão e ROI

    Durante o evento Viver de Ecommerce Live, um aluno trouxe uma dúvida interessante. Ele disse ter lido que o varejo costuma ter, em média, uma conversão de 2% a 3% por anúncio. Esta métrica não é verdadeira.

    No Ecommerce, com um público bem nichado e com comunicação otimizada, a conversão gira em torno de 2% a 5%. Isso sobre os visitantes, não sobre os anúncios. Mas nem todos os visitantes vem do Google Ads. Assim, para uma campanha ser lucrativa, ela precisa ser maior do que isso, pois o custo por clique não é mais tão baixo.

    No Google Ads, não se leva em consideração só a taxa de conversão. Uma métrica mais importante é o ROI (retorno sobre o investimento), que vai te dizer quanto a empresa está ganhando ou perdendo com a ação. Desta forma: você investiu 10 mil reais e, nesta campanha, vendeu 45 mil. Seu ROI, neste caso, é de 3,5 vezes o investimento inicial.

    O caminho para investir em mídia paga é avaliar o ROI da campanha que está rodando. Quanto precisa vender para pagar o valor investido e obter lucro?

    Escrito por Bruno de Oliveira

    Google Adwords ou Facebook Ads: qual traz melhores resultados? via Ecommerce Na Prática

    Postado por Meme Digital | Agência de Marketing Digital & Desenvolvimento Web Campinas/São Paulo.
    Fotos/Reprodução